quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Intacta Fé








Atualmente, com tantas pessoas trocando suas igrejas por seitas, e diflamando a palavra verdadeira, ou acusando Nossa Senhora e Santos encontramos vestígios de fé e de iluminação de Deus.Santos que morreram há mais de 500 anos conservam seus corpos intactos, como se ainda estivessem vivos em nosso mundo terreno,infelizmente há pessoas que duvidam do poder dos santos, estas não devem saber que seu poder não está somente em suas imagens mas em nosso coração.

Estas imagens que podemos ver neste momento são todas definitivamente VERDADEIRAS , e isto mostra a grandeza destes santos que depois de tanto tempo Deus conserva-os o corpo para nos mostrar que eles ainda estão intercedendo por nós.

A freira mostrada na primeira imagem é simplesmente uma das santas com mais número de devotos no mundo, nossa querida Santa Rita de Cássia, a protetora dos casos perdidos e deseperados.Ela, que entregou todo o seu sofrimento a Jesus, perseverou na fé e tornou-se Irmã Superiora do Convento de Cássia.Sua história é conhecida principalmente pelos seus estigmas, ou seja, as mesma DORES DE JESUS CRISTO, que passou a sofrer e que a acompanharam durante toda a sua vida.Mas sua vida mais precisamente foi regida por Jesus , como podemos ver na sua biografia:

Santa Rita de Cássia ou Santa dos Impossíveis, como é geralmente conhecida a grande advogada dos aflitos, nasceu em Rocca Porena, perto de Cássia (Itália), em 22 de Maio de 1381, tendo por pais Antônio Mancini e Amada Ferri. O nascimento da Santa foi precedido por sinais maravilhosos e visões celestiais que fizeram seus pais perceberem algo da futura e providencial missão de Rita, que seria colocada no mundo para instrumento da misericórdia de Deus em favor da humanidade sofredora.

Desde jovem, Rita tinha intenção de ser religiosa, mas seus pais, temendo que ela ficasse sozinha, resolveram casá-la com um jovem de família nobre, mas de temperamento excessivamente violento. Ela suportou pacientemente tal situação por 18 anos. Como ele tinha muitos inimigos, foi assassinado. A viúva suportou a dolorosa perda, perdoando os assassinos. Porém, crescia em seus filhos o desejo de vingança. Rita pediu que Deus os levasse, pois seria melhor que outra tragédia. Assim, perdeu os filhos. Rita estava livre para dedicar-se a Deus e pediu para entrar no Convento das religiosas Agostinianas da cidade. Mas naquela comunidade só podiam entrar virgens. Então, ela transformou sua casa num claustro, onde rezava as orações habituais das religiosas.

Uma noite, enquanto rezava, ouviu três batidas violentas em sua porta e uma voz lá de fora dizia: "Rita! Rita!". Abriu a porta e viu em sua frente três Santos, que rapidamente a levaram ao Convento onde havia sido negada três vezes. Os mensageiros fizeram-na entrar, apesar das portas estarem fechadas, e deixaram Rita de Cássia em um dos claustros. Depois desapareceram.A superiora ficou fascinada com essa manifestação Divina. As religiosas decidiram por unanimidade que a viúva fosse recebida. Admitida noviça Rita começou a trabalhar para realizar seus desejos. Consagrou-se à oração e penitência, seu corpo foi seguidamente flagelado. Passava os dias a pão e água e noites sob vigília e oração.

Certo dia pediu com extraordinário fervor que um estigma de Jesus aparecesse para sentir a dor da redenção. Em uma visão, Rita recebeu um espinho cravado em sua testa. A chaga ficou por toda a vida e ainda pode-se vê-la em sua cabeça conservada intacta com o resto do corpo. Um dia uma parente foi visitá-la, ela agradeceu a visita e ao se despedir pediu que lhe trouxesse algumas rosas do jardim. Como era inverno e não tinha rosas, pensaram que Rita estava delirando e sua visitante não ligou para seu pedido. Como para voltar para casa teria que passar pelo jardim olhou e se surpreendeu ao contemplar quatro lindas rosas que se abriram entre os ramos secos. Admirada do prodígio, entrou no jardim, colheu as flores e as levou ao Convento de Cássia. Nesta época, Rita estava muito doente e morreu em 22 de Maio de 1547. No dia seguinte, seu corpo foi colocado na Igreja do Convento. Todos os habitantes da cidade foram venerar a religiosa.

No século XVII foi beatificada e em 24 de Maio de 1900, canonizada. O corpo de Santa Rita de Cássia continua conservado intacto até hoje. Qualquer pessoa pode contempla-la na Igreja do Convento de Cássia, dentro de um relicário de cristal. Depois de tantos anos, seus membros ainda têm flexibilidade e pela expressão do rosto, parece estar dormindo.

Quem vemos a seguir é a Gloriosa Virgem e Mártir Santa

Patrícia. Descendente do imperador Constantino, o Grande, nasceu no início do século VII em Constantinopla e foi educada para a corte pela sua dama Aglaia, uma cristã muito devota. A pequena cresceu piedosa e, apesar da pouca idade, emitiu voto de virgindade a Cristo. Mas, para se manter fiel teve de fugir da cidade, porque seu pai Constante II, então imperador, insistia em lhe impor um matrimônio.

Patrícia ajudada e em companhia de Aglaia, com algumas seguidoras, se esconderam por algum tempo. Depois embarcaram para as ilhas gregas, com destino à Itália, onde desembarcaram em Nápolis. Patrícia ficou encantada com o local e indicou o lugar onde gostaria de ser sepultada. Em seguida patrocinou à cidade ajudando a ornamentar muitas das novas igrejas eram desprovidas dos objetos litúrgicos essenciais e abasteceu financeiramente os conventos que atendiam os pobres e doentes. Só então viajou para Roma com Aglaia e as fiéis discípulas, onde procurou proteção junto ao Papa Libério. Foi quando soube que seu pai já havia se resignado à sua vontade. Recebeu então o véu, símbolo de sua consagração a Deus, das próprias mãos do Sumo Pontífice. Assim, elas retornaram à Constantinopla para Patrícia renunciar o direito à coroa e distribuir seus bens aos pobres, antes de seguirem em peregrinação à Terra Santa. Porém, outros incidentes ocorreram à elas. A embarcação se distanciou dos vários perigos e se desgovernou até se espatifar nos rochedos da costa marítima de Nápolis. Precisamente na pequena ilha de Megaride, também conhecida como Castel dellOvo, onde havia um pequeno convento, no qual Patrícia morreu, depois de sobreviver por pouco tempo. Os funerais de Patrícia, segundo os registros, foram organizados pela fiel Aglaia e transcorreram de modo solene com a participação do Bispo, do duque da cidade e da imensa multidão.

O carro puxado por dois touros sem nenhum guia, parou diante do Mosteiro das irmãs basilianas dedicado aos Santos Nicandro e Marciano, que Patrícia indicara para ser sepultada. Ali as relíquias permaneceram guardadas por essas irmãs que passaram a ser chamadas de “patricianas”, ou Irmãs de Santa Patrícia. Mais tarde os basilianos transferiram as Regras para a dos beneditinos e essas Irmãs também acompanharam a renovação. Para retribuir o carinho desta Santa que retornou a Nápolis só para ser sepultada, a população difundia sempre mais seu culto, tornando-o forte e vigoroso. Em 1625, Santa Patrícia foi proclamada co-padroeira de Nápolis, sendo tão comemorada quanto o outro padroeiro: São Genaro, o célebre mártir. Por motivos históricos, em 1864 suas relíquias foram transferidas para a capela lateral da esplêndida igreja do Mosteiro de São Gregório Armênio. A Igreja confirmou o culto Santa Patrícia no dia 25 de agosto.

Santa Patrícia rogai por nos!

A seguir , ao lado da foto de Santa Rita de Cássia, vemos o bendito Santo Cura D´Ars ou também São João Maria Vianney que é ficou conhecido no mundo inteiro com o nome de "Cura"(Vigário) d'Ars, um pequeno lugarejo da França, país onde o santo nasceu em 1786. Morreu com 73 anos, em 1859. Tomou-se modelo para todo cristão e um exemplo para todos os párocos, vigários e sacerdotes. Sua festa litúrgica é celebrada no dia 4 de agosto e, por isso, essa data é o"Dia do Padre".

Desde pequeno, Vianney queria ser padre. Todavia, seus problemas eram enormes, porque era pobre e tinha grandes dificuldades nos estudos. Quando conseguiu entrar no seminário, logo teve de sair, pois não conseguia dar conta do Latim e de outras matérias difíceis demais para ele, que era um simples camponês.

Um antigo Vigário, Pe. Balley, muito ajudou João Maria a chegar ao sacerdócio. O bispo aceitou e finalmente João Maria pôde ser ordenado. Ordenado sacerdote aos 29 anos, um de seus primeiros trabalhos foi o de pároco numa pobre, esquecida e pequena aldeia chamada Ars, ao norte da França.

Em Ars, João Maria encontrou um povo sem religião. A igreja vivia fechada. O pecado imperava ali. Começou, então, pelos contatos carinhosos com seu povo, e ficava lá, na igreja, sozinho, rezando. Já que não podia falar de Deus com o povo, ficava lá falando do povo com Deus. Aos poucos, o povo de Ars começou a rezar, a freqüentar a igreja e os sacramentos da Eucaristia e da Confissão.

Padre João Maria Vianney mudou a paróquia. De toda a França vinham muitas pessoas para escutar suas pregações e para confessar-se com ele. Ele passava 15, 16, 18 horas por dia no confessionário.

Sem milagres, sem curas, o santo "Cura d'Ars" atraia multidões para a igreja daquele lugarejo. Permaneceu lá, como Vigário, durante 40 anos.

E as três imagens depois foram de três mártires : Santa Aurélia, São Silvano e Santa Luzia ( com uma máscara de ferro, porque os olhos da amantíssima Santa Luzia foram arrancados, como diz sua biografia), ambos todos sofreram pela fé, amaram apenas a Jesus e desejaram apenas a vida eterna. Santa Aurélia conserva a beleza pura e santa que a acompanhou por toda a vida, hoje ela está intercedendo por nós junto a Jesus, São Silvano , com tão tenra idade, foi degolado por amor á Deus e á sua fé, ainda hoje o corpo de São Silvano sangra ( ele morreu em 338).E nossa amantíssima Santa Luzia, com apenas 15 anos nos deu um dos maiores exemplos de fé, pois nossa doce Santa preferiu ter as vistas arrancadas á deixar de ser cristã, mesmo assim fora assassinada momentos depois.

E as imagens seguidas são de Santo Ubaldo ( há quase 900 anos morto) e Santa Ágape, mártir.Os corpos de ambos se apresentam intactos, mesmo depois de muitos séculos.São Ubaldo foi e continua a ser nosso amado bispo e um eterno pregador do evangelho.E Santa Ágape,virgem e mártir teve uma história realmente triste : Eram três irmãs,Santa Ágape, Santa Irene, Santa Quilônia, denunciadas por levar Bíblias com elas, foram presas e levadas diante do governador da Macedônia, Dulcério. Submetidas a intenso interrogatório, confessaram sua fé e obediência a Deus .Sofreram o martírio por volta do ano 304, durante a perseguição de Diocleciano. Santa Irene havia escondido grande parte dos livros cristãos em sua casa. Depois, fugiu para as montanhas juntamente com Ágape e Quilônia. Ágape e Quilônia, porém foram encontradas e condenadas a morrer queimadas vivas. Santa Irene seria a última a passar por tal desumano sofrimento. Submetida a novo interrogatório, manteve-se firme em sua profissão de fé. Tirando-lhe a roupa, expuseram-na à vergonha pública. Também queimaram-na viva.

E a última imagem, é Santa Angela da Cruz , ela que

nasceu nos arredores de Sevilha em 30 de Janeiro de 1846, tendo sido batizada no dia 2 de Fevereiro seguinte na paróquia de Santa Luzia. Pouco tempo teve de escola, aprendendo a escrever, algumas noções de aritmética e catecismo. Apesar da sua pobreza, desde pequena se habituou a partilhar os bens da sua casa com os mais pobres.

Na família aprendeu a rezar o Terço e a celebrar o mês de Maio, dedicado à Virgem Maria.

Manhã cedo, acompanhava seu pai para a oração do Terço; em 1854 fez a Primeira Comunhão e recebeu a Confirmação no ano seguinte. Começou a trabalhar aos doze anos numa sapataria, onde também se rezava o Terço, diariamente; ali começaram as suas experiências místicas. Começou a ensinar a sua profissão a outras meninas numa instituição chamada "As arrependidas", em Sevilha.

O seu confessor ajudou-a a encontrar a sua vocação: ser monja. Por falta de saúde, não foi admitida no Carmelo fundado em Sevilha por Santa Teresa de Jesus, mas em 1868 entrou como Postulante nas Filhas da Caridade do Hospital central de Sevilha, de onde foi trasladada para Cuenca, com melhor clima para a sua saúde. Em 1870 teve de abandonar definitivamente a Instituição. Teve de viver como "monja sem convento", voltou ao seu trabalho, aceitou a orientação do seu director espiritual, escrevendo os seus pensamentos e desejos da alma, até descobrir a sua vocação perante uma Cruz: a fundação de um Instituto que, "por amor de Deus, abraçasse a maior pobreza, para poder ajudar os pobres".

Com essa intuição, redigiu um projecto, com uma dimensão caritativa que a levasse a identificar-se com os menos afortunados: "fazer-se pobre com os pobres". Depois de participar na Santa Missa, instalou-se com outras três mulheres, num quarto alugado, onde tinham lugar principal um Crucifixo e um quadro da Virgem das Dores. Nasciam as Irmãs da Cruz.

As casas da "Companhia" deviam ter um ambiente de limpeza, saudável alegria e contida beleza, com estilo simples para mulheres simples, afastadas da grandiosidade, mas com ar de doçura, de modo a que todas sentissem uma nova maneira de querer Deus e os pobres. Começaran a recolher meninas órfãs, as casas começaram a crescer, atendiam as pessoas na sua própria casa, pediam esmola com uma das mãos e distribuiam-na com a outra. Em 1879 foram aprovadas as primeiras Constituições pelo Bispo diocesano, tendo conmo carisma a oração, a austeridade, contemplação e alegria no serviço dos pobres. Depressa se estenderam por toda a Espanha, chegaram à Itália e à América. Madre Ângela encontrou-se com o Papa Leão XIII na beatificação de João de Ávila e de Frei Diogo de Cádiz, mas o assinatura do decreto de aprovação da Companhia só foi assinado por Pio X, em 1904. A Irmã Ângela foi nomeada Superiora-Geral, reeleita por quatro vezes, destacando-se pelas suas virtudes de naturalidade e simplicidade.

Em 7 de Julho de 1931, foi atacada por uma trombose cerebral que a levaria à morte nove meses depois. Apesar de paralizada, mais procurava agradar do que incomodar. Faleceu em 2 de Março de 1932 e Sevilha passou durante três dias diante do seu cadáver. A Câmara Municipal celebrou uma Sessão extraordinária para elogiar a Irmã Ângela e deu o seu nome a uma rua da Cidade.
Também ela foi beatificada por João Paulo II em 5 de Novembro de 1982, para ser, agora canonizada durante a viagem pastoral a Madrid. O seu corpo encontra-se incorrupto na Capela da Casa Mãe.

Os santos foram e continuam a atuar em nossas vidas diariamente, eles estão atuando neste momento á mim, a você , a todos nós, eles recorrem a Deus e nós devemos recorrer a eles, seguindo seus exemplos de fé.Deus disse "Viveis e sede santos", mas das bilhares de pessoas que já passaram ou que passam no mundo, apenas algumas conseguem ter o Espírito Santo guiando seus passos, e Deus sendo sua fortaleza eterna.




4 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  3. Tem gente pra tudo, o que tem haver um corpo ficar como milhares de outros q não se diziam "santos" e também ficaram conservados, estude arqueologia paleontologia e veja outros q não precisaram ser santos pra isto acontecer. Estude, veja o mundo e notícias de descobertas atuais q desmascaram a ditadura das religiões que obrigam as pessoas a aceitarem seus santos e religiões a todo custo com historias q eram "impressionantes" nos séculos passados por falta de pessoas com coragem pra desvendar as técnicas usadas para ganhar "fiéis", custe o q custar.

    Agora justificar a existência de um deus ou um santos que na mente das pessoas "ajudam", ajudam o que? onde? quando? santos fracos, só ajudam uns no meio de milhões com fome e miseráveis, sem moradia e ainda seguindo à séculos santos enganadores?

    (Os acontecimentos ocorrem naturalmente como ocorrem ainda melhor com quem não acreditam em santos, mas quando os miseráveis fiéis conseguem um prato de comida no dia, dizem quem foi os santos "poderosos", santos miseráveis e fracos com suas multidões de sem terras, sem trabalho e sem comida e morrendo nos leitos de hospitais públicos).

    E assim por meio de um corpo seco e sem vida, que não faz nada por ninguém, a humanidade sofrendo e ainda tem a cara de pau de dizer q ajuda as famílias, doentes, aleijados, cegos e aflitos.



    Aqui no Brasil tao religioso a miséria corre solta, onde esta as santas defuntas que não ajudam? Estão mortas, fedorentas e não podem levantar nem elas. Por que so podem ajudar la do outro lado?

    Nao são super-poderosos, porque não ressuscitam e vem ajudar seus fiéis? Ou de lá mesmo ajudam a multidão de miseráveis q estão aqui à morrerem só esperando de santos defuntos criados pelos religiosos a fim de enfiar a todo custo suas religiões na cabeça de pessoas sem instrução e ignorantes ou morrendo de fome e sem nada pra acreditar e aceitam qualquer cachorro morto que disserem que este faz milagres se se ajoelharem diante dele e chorar muito, pois tem ate carcaça de animais a beira de estradas que secam e continuam coma aparência normal, se não viu procure se informar que verá muitos corpos de diferentes especies q não se desintegraram, sejam humano ou animais.

    E ainda mais, só ajuda quem se ajajoelhar diante dela, parece que ela não é tao boazinha não, eu não amo e ajudo meus filhos só se eles se prostarem diante de mim não, por isso sou mais amável do que deus e seus santos falsos e enganadores, pois a maioria dos milhares q se ajoelham diante dela são miseráveis sofrendo nas terras secas e sem comida e água e também na cidade sendo escravos dos ricos e morrendo em filas de hospitais públicos.

    As igrejas são lotadas ate a tampa de miseráveis que a décadas seus familiares e gerações em gerações só esperando a morte chegar e os que nascem depois vão na mesma enganação e a miséria comendo de esmola ate achegar a morte. Onde está ela que não ajuda estes seus fiéis? Querem acreditar em contos de fadas criados por religiosos da época que atodo custo queria enfiar a religião na cabeça das pessoas sem instrucao cientifica e que queriam qualquer coisa q impressionassem ou prometessem algo.

    São tão "santos" e "poderosos" estes que não se levantam dos seus túmulos para ajudar um medingo debaixo de uma ponte neste momento sem comida, se santos ajudassem o mundo era um paraíso e nem precisaria de hospitais e nem existia fome, pois sao quase 5 mil santos diferentes em todo o mundo.

    Veja este blog e leia mais o que vc nao sabe ou que a igreja nao tem coragem de falar, so tem coragem de matar e ameaças pessoas para elas aceitarem a todo custo seus santos salvadores e movimentam o comercio dos santinhos imortais da grana fácil. Leia o blog não tenha medo, la não tem promessas sem resultados, copie e cole o endereço abaixo >> http://vivendosemfronteiras.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Não existem nenhuma prova que um santo curou ninguém, deu comida, casa ou coisa de sustento, se santos curassem ou ajudassem não precisaria de hospitais e filhos e filhas de religiosos que vivem dentro da igreja com o santos milagreiros não estariam lotando hospitais, pq não usam os santos super-poderosos?? MENTIRA, ILUSÃO. Prove fazendo testes hoje mesmo. Nao fuja, busque a verdade.

    Alguém já disse pra santa, ela ajudar aos hospitais q morrem crianças todos os dias e tem milhares mundo a fora com fome e sem moradia??. Duvido, fogem com desculpam e limitam os poderes dos santos pra fugir de fininha.

    Leia este BLOG e saia da ilusão dos santos engadores >>

    http://vivendosemfronteiras.wordpress.com/

    ResponderExcluir